Santos Populares PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Avaliação: / 0
FracoBom 

Falar dos Santos populares em Portugal é falar de Santo António, São João e São Pedro.

De facto é nas duas maiores cidades Lisboa e Porto onde os Santos são os verdadeiros “reis” da festa, no entanto por todo o País se replicam festas dos santos populares tal como acontece no Bairro dos Anjos em Leiria.

 

São milhares de pessoas em todo o País, em todos o recantos, que anualmente oferecem do seu tempo para preparar as vestes, as coreografias e as festas. O mês de junho é o mês de Portugal, temos o 10 de Junho e temos o País em festa popular.

 

As caracteristicas de cada aldeia, vila ou cidade dão um colorido diverso mas também formas diferentes de viver os santos. Se em Lisboa tal como em outros locais os bairros assumem um papel de representação com as suas animadas marchas tendo no manjerico o símbolo da festa, já mais a norte no Porto entre outros locais com o mesmo espirito bairrista aparecem os martelinhos e o alho porro e a mesma festa pelas ruas.

 

O povo sai à rua, o povo diverte-se e nestas noites opta, e bem, por se abstrair da “vida” para sentir o espirito dos Santos Populares.

 

Cada Santo ocupa um lugar na história na interpretação e na medida da crença de cada um, e até a reivindicação como sendo o seu Santo é uma prerrogativa de muitas aldeias, vilas ou cidades.

 

Em Leiria podia até falar de Santo Agostinho, mas para falar do distrito prefiro falar daqueles que devem ser os santos dos dias de hoje, os “Santos do Distrito”.

 

Diariamente no nosso distrito milhares de pessoas trabalham em auxilio de outros tantos em instituições que assumem um papel crucial na nossa sociedade, as IPSS.

 

As Instituições Particulares de Solidariedade Social, aliadas a tantas outras associações de apoio social ocupam hoje um lugar na nossa história moderna como o garante do equilíbrio social numa sociedade tão descaracterizada.

 

É por este motivo que me atrevo hoje a eleger como os “Santos de Distrito”  todos aqueles que de uma forma ou de outra dão o seu contributo para esta “vaga” permanente de solidariedade.

 

Viva os Santos populares e viva os “Santos do Distrito"

O Secretário Geral da CNAF - Confederação Nacional das Associações de Família

 

Hugo Oliveira

in diário de Leiria, 26 de Junho de 2015